23.11.12

Dando sopa

Às vezes me sinto a pessoa mais influenciável do mundo.

Estava voltando da faculdade e tentando ler um livro enquanto o ônibus chacoalhava de lá para cá. Na história, pra demonstrar a pobreza do personagem, o autor fez questão de fazer constar que ele só come sopa, em todas as refeições.

Uma das cenas descrevia com riqueza de detalhes a sopa que o rapaz comia: rala, com poucos pedaços de frango, arroz do dia anterior e algumas batatas picadinhas.

A intenção era despertar piedade do personagem. O efeito foi o de me deixar morrendo de vontade de comer sopa.

--

Em pleno verão, bater na porta dos vizinhos mais amigáveis perguntando se eles tinham sopa não era uma opção - e sim, se fosse inverno eu teria cara-de-pau suficiente de fazer isso. 

A solução foi caminhar até um hipermercado perto de casa, o único lugar aberto naquele horário. Talvez eu achasse sopa em lata por lá.

--

Pelo menos quinhentas pessoas se amontoavam na entrada do supermercado. Pessoas com duas, três televisões LCD lotando o carrinho de compras corriam de um lado para o outro, desesperadas com a possibilidade de não conseguir comprar a quarta.

"Os preços das televisões devem estar ótimos", pensei, "vou tentar roubar uma no estacionamento".

Era a Black Friday (sexta-feira afro, em bom português).*

--

Ano passado, não ouvi um pio na mídia brasileira sobre a tal da Black Friday. Esse ano, de uma hora pra outra, todo mundo só fala nisso.

Ano que vem, já vai ter gente esperando pelo dia de fazer compras. As tradições tem surgido cada vez mais rápido - pelo menos quando ajudam a vender quinquilharias pra classe média.

--

Depois de jogar duas pessoas no chão e empurrar uma criança para conseguir enxergar os preços, me decepcionei: estava tudo tão caro quanto no dia anterior. 

Tá certo que o conceito de caro para um estagiário de psicologia que conta o salário em múltiplos de cinquenta centavos não vale para todo mundo, mas nada justificava aquele furdunço todo - quer dizer, algo justificava: propaganda na televisão e um nome abestalhado em inglês.

--

Quem vê, pensa que dinheiro é mato. Como eu saí de lá sem televisão nenhuma, talvez eu não seja realmente a pessoa mais influenciável do mundo. Pena que fiquei sem sopa.


--
*Eu sei que não é afro, gente. Não sabia se ressaltava a ironia, se assumia que era uma piada ruim ou tirava essa parte do texto. Resolvi fazer uma nota de rodapé, que é a coisa mais fina que se pode fazer em um blog.

57 comentários:

  1. renato8:29 PM

    sexta-feira afro? qual o sentido disso? pesquise sobre a origem do termo. se foi piada, faça alguma mais inteligente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se for criticar, faça uma critica mais inteligente.

      Excluir
    2. se é pra criticar, faça uma critica mais inteligente.

      Excluir
    3. Simplesmente, deixe de ser babaca

      Excluir
    4. Falta-lhe humor Renato, ou na verdade faltou inteligência da sua parte para entender a piada, até mesmo para ler a nota no final do texto.

      Excluir
    5. Anônimo8:48 PM

      Realmente, de afro o black desse nome não tem nada. Lamentável.

      Excluir
    6. Tá faltando ele se esconder numa caverna e esquecer que existe internet...

      Excluir
    7. Anônimo8:54 PM

      Uma piada não precisa ser inteligente para ser engraçada. E válida.
      (Sem falar da nota no final do texto, já citada)

      Excluir
    8. Anônimo10:37 PM

      "boo-hooo" nào entendeu?? ou é loira ou é contra as "cotas"...
      como citado, não precisa ser inteligente, interessante é ter conteúdo...

      Excluir
  2. Era a Black Friday (sexta-feira afro, em bom português).
    Se ele ia dizer Sexta-Feira Preta ia ter gente processando ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falta-lhe humor Renato, ou na verdade faltou inteligência da sua parte para entender a piada, até mesmo para ler a nota no final do texto.

      Excluir
    2. Anônimo11:45 PM

      só posso dizer uma coisa do redator...que bosta...ashuhaus

      Excluir
  3. Anônimo8:33 PM

    Sexta-feira afro... eu ri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo11:35 AM

      Somos dois hehe

      Excluir
  4. Sexta-Feira afro??
    O que vc quis dizer com isso?? Tenho lido tanta asneira racista na internet que quero acreditar que foi só um equívoco, ou uma piada mal colocada, sem intenção racista.. Tomara! Ficou muito estranho..

    O resto do texto, sinceramente, também não entendi..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo9:04 PM

      Como não entendeu cara?
      Ele simplesmente quis dizer que, com uma força da televisão e um nome chique o povo compra até bosta em lata, pagando caro por isso.

      E como foi dito acima, se ele falasse "Sexta-Feira Preta" ia ter gentinha reclamando que ele falou "PRETA" e é errado, sendo assim, no português correto, "afro"... uma SIMPLES piada!

      Excluir
    2. Anônimo9:21 PM

      Desencana de entender cara, o texto foi escrito em bom português e com várias ironias, duas coisas que eu já vi que você não entende bulhufas.

      Excluir
  5. esse renato é um cuzao

    ResponderExcluir
  6. Afinal, quanto estava a TV?

    ResponderExcluir
  7. esse renato é um cuzao

    ResponderExcluir
  8. Anônimo8:36 PM

    texto ótimo amigo...realmente um absurdo incontestável....e mais incontestável ainda é nosso querido leitor lhe pedir para fazer uma piada mais inteligente..só pode ser piada isso né meu caro.

    ResponderExcluir
  9. IRONIA... Um dia as pessoas ainda aprenderão o significado dessa palavra!
    Parabens pelo texto, Flavio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou a favor de levantar uma mão quando for sarcasmo. Só assim nego, desculpe, afro, entende.

      Excluir
  10. Afinal, quanto estava a TV?

    ResponderExcluir
  11. Se for para traduzir para o português que se traduza pegando o sentido da tradição importada, nossa língua e nossa cultura... Assim fica: Sexta Azul!

    ResponderExcluir
  12. Se for para traduzir para o português que se traduza pegando o sentido da tradição importada, nossa língua e nossa cultura... Assim fica: Sexta Azul!

    ResponderExcluir
  13. Gosto assim, de gente que lê tudo. Inclusive a nota no rodapé e faz um comentário reclamando do trocadilho da Sexta Feira Afro. Bacana mesmo.

    ResponderExcluir
  14. Gosto assim, de gente que lê tudo. Inclusive a nota no rodapé e faz um comentário desses sobre o trocadilho "Sexta Feira Afro". Muito bacana mesmo.

    ResponderExcluir
  15. Achei massa, Sexta Feira Afro!!! rsss

    ResponderExcluir
  16. Anônimo8:44 PM

    É Flavio, você deveria ter feito a piada de forma mais inteligente, tipo sexta-feira com muita melanina. kkkk Esses politicamente corretos ainda vão acabar com a graça do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo11:38 AM

      Ahhh Como eu detesto politicamente corretos... Não pode falar preto, não pode falar Gordo, não pode chamar japonês de japa... engraçado q se eu aparecer num baile funck (não q eu freqüente) e me chamarem de branquela azeda num vai ter um políticamente correto pra me defender... politicamente hipócritas isso sim ehehe

      Excluir
  17. Eu amei a sexta feira afro! rs

    ResponderExcluir
  18. Só fazendo piada mesmo...

    ResponderExcluir
  19. Pessoal, obrigado pelos comentários. É muito gostoso ver tanta gente assim lendo aqui. =)

    A sexta afro quase não entrou no texto, por que eu achei a piada ruim - mas não tem nenhuma intenção racista não, longe disso. Só uma brincadeirinha com a tradução de black - não tenho ambições de rafinhabastísticas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8:57 PM

      Texto simples, leve, engraçado e verdadeiro.
      A piada é válida.
      Ignore essas pessoas sem senso de humor.
      :]

      Excluir
  20. Mauricio8:50 PM

    tem sempre um pra falar m3rd@ né Renato? Leia a nota de rodapé.. Parabéns pelo texto Flavio. Como vimos por aí, "Tudo pela metade do dobro do preço!". Ô brasileirada burrrrrra!

    ResponderExcluir
  21. Se quiser sempre piadas inteligentes, mude de blog...

    ResponderExcluir
  22. O interessante é que a piada foi o mais comentado sobre este texto, em vez do fato do povo se importar mais com o X% de desconto do que com o valor real do produto. É aquela, melhor parcelar em 30 60 90 dias do que em 3 vezes. Muito bom o texto está de parabéns. E viva a sexta-feira afro(ironia)

    ResponderExcluir
  23. Eu entendi que chamou Sexta-feira Afro porque se chamasse de Preta ou Negra, iam te chamar de racista e processá-lo! E eu ri alto, adorei o texto e concordo plenamente. O engraçado mesmo são os comentários, chamando um cara estudante de psicologia de ignorante! O ápice! Pessoas polemizam coisas pequenas e deixam passar coisas grandes ;)

    ResponderExcluir
  24. Anônimo9:18 PM

    O texto é bom, sem dúvida.
    "Black Friday" só podia ser coisa de brasileiro mesmo. Como sempre, copia tudo dos americanos e não tem nem a gentileza de mudar, pelo menos, o nome por algum similar em português. Também depois de Halloween, Zombie walk e agora, Black Friday no Brasil, o que mais virá?
    Acho que podemos ser influenciados por algumas coisas que acontecem no mundo sim, mas que tal influenciarmos também ao invés de só copiar. Cadê a tal criatividade e originalidade do brasileiro?
    Halloween já é demais né?! Afinal, já não temos o Carnaval?!

    ResponderExcluir
  25. Eu curti, e quem não tem senso de humor nem deveria ler blog...

    ResponderExcluir
  26. Eu curti, e muito! Quem não tem senso de humor nem deveria ler blog...

    ResponderExcluir
  27. Muito bom o texto.

    Mas realmente é lamentável que as pessoas tenham se preocupado mais com uma ironia - explicada em nota de rodapé -, ao invés do assunto do texto.

    ResponderExcluir
  28. Como tem gente burra e que não entende piadas simples nível 1. Tá louco.
    Excelente texto, a ironia do fim foi a melhor parte.

    ResponderExcluir
  29. Fique tranquilo, Flávio. As pessoas que estão reclamando provavelmente são brancas, politicamente corretas, pertencem à classe média e entenderam patavinas do seu texto.
    Ah, elas também não bebem, não fumam, nunca deram uma risada na vida e nunca tiveram uma boa transa.
    Elas provavelmente não sabem o que é inteligência. E não sacaram ainda que foram solenemente zoadas. Tem mais essa.
    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  30. O contexto é pertinente, apenas caberia outra maneira do trocadilho "afro" ou da intenção com a qual escreveu, algo que não deixasse subentendido ou remetesse a afrodescendência ou o negro, como sexta-feira suja, escura, mentirosa ou qualquer coisa parecida. A relação proposta entre "black" e "afro" tem tom pejorativo, com ou sem o objetivo em ser, mesmo porque "black" é cor - e no sentido de sua origem inserida na propaganda nos faz entender que seria um dia chocante com a queda de preços ou algo do gênero, já "afro" define uma raça, enfim sem qualquer ligação e mesmo o dever no sentido do texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, nós sabemos.

      Próximo.

      Excluir
    2. Perfeitamente, meu caro.

      Excluir
  31. Dimi QC11:17 PM

    Os que se preocuparam com o termo "afro" nem viram que ele "jogou duas pessoas no chão e empurrou uma criança"... então ESCREVER algo politicamente incorreto não pode, mas FAZER algo politicamente incorreto é permitido... Esses são os analfabetos funcionais - não sabem ler e, quando leem, "entendem" só o que interessa!

    ResponderExcluir
  32. Você fez um estudo de psicologia e os limitados mostram como são.... limitados

    ResponderExcluir
  33. Anônimo1:49 AM

    Um dos melhores textos que já li.... Humor refinado, crítica de qualidade excelente... Realmente um ótimo escritor....gostoso e leve de ler porém com um conteúdo extremamente pertinente e complexo ao meu ver...caso contrário não seria tão polemizado...Mas acredito que o autor pensou nisso e sabendo disso valorizou certa questão pisicológica no leitor...Interessantíssimo até seus resultado senhor Flávio!!! parabéns

    ResponderExcluir
  34. Anônimo7:57 AM

    Gente babava, não tem senso de humor, devia ir pra um convento. Texto ótimo, só perdeu pra os comentários, kkkkkkk

    ResponderExcluir
  35. Pelo amor de Deus viu, o povinho. . . .
    O cara faz um excelente texto, mostrando o quão consumista e influenciável é o povo só pelo que vê na TV, tanto que nem importa o preço. Pois quem prestou atenção viu que não houveram descontos tão bons assim. Mas o povo comprou, e muito. Mas as pessoas se prenderam no menor dos detalhes do texto, "é preto", "é afro". Talvez esses também compraram uma TV de LCD afro. . .

    ResponderExcluir
  36. Pelo amor de Deus viu, o povinho. . . .
    O cara faz um excelente texto, mostrando o quão consumista e influenciável é o povo só pelo que vê na TV, tanto que nem importa o preço. Pois quem prestou atenção viu que não houveram descontos tão bons assim. Mas o povo comprou, e muito. Mas as pessoas se prenderam no menor dos detalhes do texto, "é preto", "é afro". Talvez esses também compraram uma TV de LCD afro. . .

    ResponderExcluir
  37. Humberto Mendes11:49 AM

    Aposto que as pessoas que estão reclamando do "sexta-feira afro", sequer terminaram de ler o texto, forma direto para os comentários para "xingar muito no blogspot".

    Excelente texto, explica bem a situação deplorável em que se encontra o consumidor brasileiro e o delicioso lucro-Brasil.

    ResponderExcluir
  38. Cara, que texto delicioso de ser lido. Confesso que ler esse monte de comentário babaca só me faz ter a certeza de que o mundo e as pessoas estão cada vez mais chatas. Espero que tenha um filtro bacana pra leitura dos comentários. Mais uma vez, parabéns pelo texto, foi ótimo digerí-lo. Melhor que o texto, só a sopa!

    ResponderExcluir
  39. Gostei do Sexta-deira Afro +1

    ResponderExcluir

Sem cinismo

Uma criança brinca. Corre como se não tivesse limites, desbrava a sala como se fosse um campo de guerra e cai no chão como quem cai numa emb...