Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Geografia

Imagem
Uma estatística que eu ouvi de alguém que provavelmente tinha acabado de inventá-la foi de que 90% dos casamentos são entre pessoas que moram a menos de 400 metros de distância. Sete bilhões de pessoas no mundo, e a maior parte das pessoas decide que a filha do dono do açougue do bairro é a mulher de sua vida.

Imagino que um número parecido se aplique às bandas de rock: quase sempre os Behind The Music começam contando sobre os garotos que estudavam na mesma escola e resolveram fazer barulho juntos, em busca de cocaína e prostitutas.

--

Alguns anos atrás, uma série da Globo, Toma Lá Dá Cá, tinha um personagem que repetia que era de Pato Branco, minha cidade natal. Os efeitos foram os seguintes:

1 - Não preciso mais explicar para desconhecidos que Pato Branco é uma cidade. Preciso explicar, entretanto, que a cidade existe de verdade.

2 - Me surpreendi com a quantidade de gente que confunde televisão com vida real. Os diálogos são mais ou menos assim:

"Você é de onde?", a pess…

Comprometimentos

a vida da gente  é sempre um transtorno é seguir em frente e fazer o contorno é fundir-se torrente e cair-se em um torno passar frio e o calor  pra encontrar-se no morno
e se esquenta, e se esfria  e se fica contente porque a vida da gente é um bolo no forno: metade partida, metade retorno
Me assusta um pouco ver como meus amigos de infância já estão quase todos casados. Vários já tem filho e alguns já estão no segundo da prole. Tudo bem que eu posso não estar tão maduro quanto eles e que nem todos passam pelas fases da vida ao mesmo tempo. 
Ver meu vizinho que comia minhoca (enquanto eu comia areia) já no terceiro filho, se dividindo para comprar fraldas e pagar a parcela do carro, enquanto pego o ônibus rumo a um apartamento vazio, me faz pensar.
Admiro quem tem esse tipo de comprometimento. Sim, depois de se decidir exatamente o que se quer, em geral a gente encontra recursos pra fazer o desejo acontecer. Dá-se um jeito. A decisão é que é difícil.
Nem sempre o comprometimento vem a partir de u…

No vestiário

Toda polêmica de hoje em dia costuma seguir a mesma sequência de acontecimentos: um grupo, próximo do comportamento dominante, recrimina algum comportamento de um grupo menos influente. A minoria se defende e o outro grupo diz se faz de vítima, dizendo que tem a razão e que a minoria tem mais é que ter vergonha na cara.
Foi assim com o discurso homofóbico e racista do Feliciano, foi assim com quem defendeu a Nicole Bahls do machismo do Gerald Thomas, é assim a cada vez que um grupo de funcionários faz greve. Enxágue e repita a operação.

Uma das atmosferas mais interessantes que tenho frequentado é o vestiário da academia onde faço natação. Nenhum lugar é mais propício para se observar o comportamento humano do que aquele em que todos ficam pelados, molhados e secando os dedos do pé ao mesmo tempo.
Um dia desses, enquanto saía do banho, escutei o rapaz que ocupava o chuveiro ao lado cantar a plenos pulmões. Achei corajoso. Costumo achar bonito quando alguém tem os colhões para fazer o q…

Psicobus

A partir do momento em que você assinala a opção “Psicologia” na inscrição do vestibular, é como se um ímã implantado fosse implantado em você, para atrair qualquer pessoa que queira abrir o coração, mesmo que nunca tenha te visto antes – e principalmente se estiver alcoolizada.

Mesmo se você morar em Curitiba, como eu, onde as pessoas ficam perdem a capacidade de fazer contato com desconhecidos em qualquer espaço em que sejam obrigadas a conviver, seja um elevador ou uma sala de espera, o ímã vai funcionar.

Para você que não é da área, experimente pegar um ônibus com uma mochila em que esteja escrita a palavra Psicologia. Alguma das situações seguintes, com toda a certeza, vai acontecer:



“Oi, moço! Cê faz psicologia, é?”

Sem tirar os fones de ouvido, você acena que sim. A pessoa insiste: “Meu sobrinho faz psicologia também.”

Você fica sem jeito de cortar o assunto por aí, tira os fones de ouvido e arrisca: “É mesmo? Onde?”

“Porto Alegre”, a pessoa responde, sem saber que nós não c…