Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2015

Malditos mosquitos

É muito difícil matar uma mosca.
Mesmo segurando a respiração e mantendo todo o foco do mundo, é só chegar perto dela com a mão que ela percebe a ameaça e sai voando, rindo da sua cara e pensando em o quanto você é burro.

Para uma mosca, um humano não é muito diferente de um cachorro que tenta pegá-la no ar dando mordidas. Nós somos incapazes.

Mas tudo bem, as moscas são praticamente inofensivas: a não ser que você passe uns bons dias sem tomar banho (te prepara, estado de São Paulo!), elas não lhe perturbar muito.

Já os mosquitos, não! Os mosquitos fazem questão de provocar. Fazem barulho a noite toda, deixam uma picada que fica vermelha e coça, e ainda deixam uma malariazinha de brinde.

Mas eles… eles a gente consegue pegar.

--

O maior argumento de um criacionista é o mosquito.

Porque foram milhões de anos de evolução, pôxa! Todo esse tempo e nenhum mosquito pensou em ter a mutação de ser mais silencioso? De zumbir mais baixo e se entupir no bufê livre de sangue que é uma pessoa dor…

Andadores e Muletas

Numa das minhas fotos preferidas de infância, eu, ainda um bebê gordinho, estou de óculos de sol, apoiado num trambolho de plástico e aço com rodinhas. Desengonçado, os braços esticados para frente, eu parecia o Godzilla fazendo fisioterapia antes de andar sobre Nova Iórque.

Foi assim que eu, e muitos da mesma geração, aprendemos a andar.

--

Ano passado foi proibida a venda de andadores infantis no Brasil. O aparelho, que teoricamente ajudaria os bebês a aprenderem a caminhar, prejudicaria o processo de aprendizado da criança.

Pendurada no aparelho, a criança não usaria corretamente as próprias articulações e começaria a andar de uma maneira que não seria saudável - e lhe traria malefícios pelo resto da vida.

--

Sabe quando você sofre um acidente e depois não lembra do que aconteceu? Nosso cérebro tem uma tendência a bloquear experiências que nos tenham feito sofrer demais.

Acho que é por isso que esquecemos de quase tudo da nossa infância.

Tudo é ridiculamente difícil. Você nasce des…

Transar e Comer

Quando eu vejo um cachorro rosnando para outro na hora de comer, penso o que talvez essa seja a maior diferença do homem para o bicho. Pra gente, comer não é só uma questão de nutrição: é um rito social.

Não importa a ocasião a ser celebrada, ela é celebrada com comida. Natal, aniversário, fim de namoro, tudo é ritualizado ao redor de uma mesa.
Menos velórios, porque o homenageado não costuma estar com muito apetite.


--
Sempre tem alguém no grupo que repara: “Já viu que a gente só se junta pra comer?”.
A questão é que se não fosse a comida nos unindo ao redor de um objetivo em comum, não saberíamos o que fazer para socializar.

Provavelmente recorreríamos ao outro grande prazer humano, o sexo.


--

A vida com sexo no lugar da comida seria estranha, mas não muito diferente.
Você chegaria na casa de alguém e a pessoa ficaria toda sem jeito, querendo agradar:
- Você quer alguma coisa? Uma água, um boquetinho?
Recusar seria desfeita.


Nas reuniões de trabalho, as pessoas reclamariam:  - Pôxa, seis hora…

Pequenos suicídios

Li um caso clínico, em um livro de psicanálise, sobre um senhor de oitenta e poucos anos que, mesmo casado com uma mulher por toda a vida, finalmente desejava viver a homossexualidade que passou a vida negando.
O psicanalista teve a triste missão de ajudá-lo a perceber que era tarde demais. Doente e dependendo dos cuidados da esposa, também já idosa, era mais prudente lidar com o fato de que já não era mais possível reparar os danos dessa parte abandonada.
--
Quando recebemos a notícia de que alguém tirou a própria vida, a sensação de algo interrompido é inevitável. “Mas era tão novo!” “Mas era um pai de família!” “Mas tão velho, se matando? Não era melhor esperar?”
É porque temos a ideia de que a vida precisa ser vivida ao máximo, sem atalhos ou concessões. Quer dizer, pelo menos a vida dos outros.
--
Uma paciente que tive (e de cuja história mudo alguns detalhes para preservá-la) me procurou por conta de muito estresse no trabalho. Executiva em um banco privado, sofria crises de …