12.2.16

Dessa vez, com raiva

Essa história eu vi com esses olhos míopes que a terra há de engolir:

A moça, com uns 26 anos de idade e casada com um homem de pelo menos uns 15 anos a mais do que ela, descobriu que estava sendo traída.

Era uma mulher forte e ponderada. Não quis ter uma reação emocional. Aguentou. Perdoou. Deixou passar. Seguiu casada.

Um tempo depois, disse ao marido que não ia poder ir a um evento de negócios para o qual estavam convidados. A enxaqueca estava pesada demais naquela noite.

"Desculpe te fazer ir sozinho, amor", falou, pedindo perdão por estar doente.

Ele resmungou alguma coisa e foi embora.

--

[Ok, eu não vi essa história com meus próprios olhos, foi um paciente que me pagou noventa reais a hora para contar isso sem que eu contasse pra ninguém. Por isso, eu mudei a história toda pra poder soltar a língua. Ainda assim, pedi autorização para poder contar a história aqui. Respeito demais quem me paga noventa reais a hora na crença de que eu posso fazer algo útil por ele.]

[Ah, sim, e a ética também.]

--

Mas prossigamos.

Ela não aguentou a culpa. Enxaqueca e tudo, se enfiou num vestido e foi ao evento. Indo rápido, não ia deixá-lo muito tempo sozinho por lá. Tadinho, tão esforçado.

Chegou e não encontrou o marido no salão principal. Cumprimentou algumas pessoas e foi ao banheiro retocar a maquiagem e reforçar a dose da aspirina.

Abriu a porta e... lá estava o marido, com a secretária. Aos beijos. Aos amassos. Algumas partes do corpo dele dentro de outras partes do corpo dela. Movimentos espásticos. Gemidos.

Olharam para ela em silêncio. Ela não soube reagir.

"Desculpa", pediu ela novamente, e saiu correndo.

--

Educada como era, não fez barraco. Não contou nada para a família, nem a dela nem a dele.

Não quis queimar o filme. Não reagiu. Seguiu com os procedimentos do divórcio enquanto ainda aparecia com ele em todos os eventos em que ele precisava estar acompanhado.

Uma verdadeira dama.

--

O tempo foi passando e as evidências iam se somando. Aparecia algum bilhete, alguém fofocava alguma coisa, ela foi descobrindo o quanto ele mentia para ela.

O quanto ele economizou com ela para gastar com a outra. O quanto ele deixou de fazer coisas por ela a pretexto de trabalhar, para ficar num resort com a outra.

E ficou puta.

Em plena madrugada, foi ao quarto dele (eles ainda dividiam a casa, por mais sofrido que isso fosse para ela).

Olhou para o seu rosto, acariciou a bochecha, com um carinho que há tempos não se permitia demonstrar. O mesmo carinho com que disse "Querido, tira os óculos".

Ele tirou.

E ela quebrou a cara dele.

Não uns tapinhas. QUEBROU A CARA DO SUJEITO.

Ficou cega de raiva. Depois me contou que teve medo de matar o marido, que se tivesse uma arma na mão, seria capaz de matar.

Mas não matou. Só lavou a alma.

--

Violência é péssima. É horrível. Não estou aprovando a violência aqui.

Mas não consigo achar a raiva uma coisa ruim.

Com a quantidade de merda que a vida é capaz de jogar nas nossas cabeças, se a gente não surtar de vez em quando, vai ficar fedendo pra sempre.

Onde a dor paralisa, a raiva liberta. Não há como se mexer na vida sem um pouquinho de raiva como combustível.

--

Em geral, as pessoas aparecem no consultório em plena crise de pânico falando "Preciso aprender a me controlar".

Pessoas super bem educadas, pessoas que não fazem mal a uma mosquinha. Como assim, controlar mais? Onde cabe mais controle nessa vida?

O que o clube dos bem comportados precisa é aprender a se descontrolar.

Do jeito certo: expondo a cara feia aos poucos, conforme os problemas vão se apresentando, em vez de esperar tudo acumular e explodir de uma vez só.

A única maneira de não explodir, não ficar cego de raiva e não fazer nenhuma besteira é liberando a pressão da penal aos poucos, ficando raiva sem nos deixar cegar e fazendo microbesteiras aos poucos.

Sem acúmulo, sem explosão.

--

"Você não é punido por ter raiva, é punido pela sua raiva", disse Buda, na imagem que eu vi no Facebook de uma fonte não confiável.

Acho que as pessoas entendem isso de não guardar sentimentos ruins de um jeito torto.

Sentimentos não desaparecem por conta própria. Eles precisam ser transformados, trabalhados, arados até que alguma coisa possa nascer deles.

E nada melhor para se livrar da raiva do que botar a raiva para fora.

--

O problema é nos pressionarmos tanto para sermos perfeitos. Quietos, silenciosos, educados, no controle. Só faltando a asa para ser anjo. Os aedes aegypti transmissores da paz.

Ironicamente, está mais perto do controle quem sabe que precisa se descontrolar de vez em quando.

Porque sabe que sofrer calado não tem nada de elegante. Porque sabe botar os dentes à mostra além de só pra sorrir.

Ficar amigo da própria raiva só traz benefícios: melhor pra quem não explode, e mais seguro pra quem está ao redor.

Ainda mais se quem estiver ao redor for um folgado que merecia apanhar mesmo.

Um comentário:

  1. Eu sofro desse msm problema .Vou acumulando a raiva até que um dia eu explodo e os resultados nunca são bons. Não sou de arrumar barraco ou mesmo de levantar a voz pra alguém ,sempre tento manter a calma quando na frente de outras pessoas. mas as vezes uso o sarcasmo e a ironia pra me acalmar e não acabar de vez com a minha imagem e com a pessoa .

    ResponderExcluir

Cumprimentos

Já existiu um mundo em que, guerras e traições à parte, havia mais honra entre os homens. Havia um código, um sinal universal que garantia a...