6.12.16

Autoconhecimento

"Olha, eu não tenho nenhum problema grande, estou aqui pra mais pra me conhecer mesmo..."
É o que me dizem todos os pacientes que vão passar o resto da sessão falando sobre um problema específico.

Acontece. Não há jeito de trabalhar uma questão específica sem vasculhar o arquivo inteiro da vida em busca de uma resposta.
Ao mesmo tempo, depois de vasculhar o arquivo inteiro, você acaba tendo uma ideia bem melhor de quem é.

--

Essa ideia de "Se conhecer" é engraçada, né?
É como ter um irmão gêmeo grudado em você pelo pescoço, com o mesmo corpo e as mesmas experiências que você tem, e não fazer ideia de como ele pensa.

Parece difícil, mas vai saber.
É capaz de, nessa situação, muita gente conhecer muito mais ao irmão do que a si mesmo.

--


Outra coisa: se conhecer e se gostar são coisas diferentes.

Nem todo mundo tem um recheio cremoso com sabor de morango. A gente tende a ser muito mais amargo e difícil de digerir.

Mas o irmão é uma comparação válida: conforme os dois crescem juntos, é natural que briguem, se odeiem, se estranhem, se rejeitem... E é assim entre conforme a gente se conhece também.

Se autoconhecer não é um processo pacífico.

--

Não basta se conhecer passivamente, só de olhar para si mesmo.

O autoconhecimento de verdade é um processo muito mais próximo de escrever um livro do que de ler um.

É uma tarefa que exige algum planejamento.

--

Muito bem, mas como se conhecer?
Deixo algumas sugestões:

- Tente conhecer as outras pessoas. Algumas das coisas que eles sentem são universais e também vão se aplicar a você.

- Invente pessoas. Vá para um lugar cheio de pessoas e imagine a vida que elas devem levar. O que você imaginar sobre elas vai dizer muito sobre você mesmo.

- Sofra de enxaqueca. Você vai aprender o quanto sua vida é boa só por estar sem dor nenhuma, e de quebra vai perceber que às vezes querer morrer é natural.

- Fique nu no chão do seu quarto. Arranje uma caneta Bic e desenhe em sua pele. Rabisque do jeito que a sua mão, e não a sua cabeça, desejar. Isso vai lhe mostrar o limite do seu corpo, e que é possível ser criativo mesmo com limites.

- Arranje um espelho que caiba na mão e o leve para perto do seu cu. Assista-se peidar. Isso vai te dar uma intimidade com o seu corpo e te mostrar que não tem tanta diferença assim entre soltar um peido e mandar um beijo.

- Decepcione seus pais. Dê orgulho pros seus pais. Se decepcione com seus pais. Tenha orgulho dos seus pais. Entender quem eles são é um atalho para entender quem você é.

- Vá a um lugar com muita, muita beleza e se permita só apreciar. Tenha a certeza da existência de Deus.

- Vá a um lugar com muito, muito sofrimento e se permita só doer. Tenha a certeza que Deus não existe.

- Envelheça. Ficar mais jovem é muito contraprodutivo para quem quer se conhecer.

- E não se cobre tanto. Só de estar ali, convivendo consigo mesmo, cê já vai descobrir muita coisa - e provavelmente vai ficar feliz com o processo.

E se o processo ficar difícil demais, antes, durante ou depois disso tudo, procure um terapeuta.
Não existe um mapa exato para se encontrar, mas existem algumas bússolas que podem te ajudar no processo.

--

O que dá pra dizer com certeza sobre autoconhecimento é o seguinte: você vai acabar se surpreendendo.

Tenta aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem cinismo

Uma criança brinca. Corre como se não tivesse limites, desbrava a sala como se fosse um campo de guerra e cai no chão como quem cai numa emb...