31.3.17

Timeline

Vou descendo pela timeline da rede social e vejo a vida de vocês.
Vejo vocês casando.
Tendo um filho. Tendo o segundo.
Caindo, levantando, erguendo a cabeça.
Comemorando um diploma.
 Entrando num curso novo.
Viajando pra fora do país.

--

A gente não costuma dizer aqui quando está triste.
Aqui é a edição dos melhores momentos da nossa história, e a gente até estranha quando compara a cena dos nossos bastidores com o que vê na timeline.

--

Aí alguém vem me chamar em particular e me confidencia que não tá tão bem.
Que o relacionamento tá acabando.
Que o trabalho tá difícil. Que a mãe está doente. Que perdeu a fé.
E que se sente uma fraude por causa disso.

--

Nesses momentos eu queria mostrar suas redes sociaos pra vocês.
Não pra se sentirem uma fraude perto da felicidade que está estampada ali, mas pra lembrarem que vocês já conquistaram muita coisa.
Amaram.
Tiveram um filho. Tiveram o segundo.
Estudaram, ralaram, conseguiram um diploma.
Caíram e levantaram - e daí se caíram de novo? Vocês já fizeram muita coisa.
Merecem o crédito.
Eu fico aqui, descendo a timeline e olhando.

--

A parte exibida e narcisista da gente é necessária.
Quando a gente tá na pior, é justamente com ela que a gente mais briga, por ter prometido uma felicidade que a gente não pode cumprir.
Mas a gente pode chamar essa força num momento ruim pra nos lembrar que a gente já esteve bem. Superbem. De dar inveja.

E pode voltar a ficar assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amar é frustrar

Pais machucam filhos. Essa é uma lei da natureza tão certeira quanto a de que pais botam filhos no mundo. Duas certezas biológicas: a da ...