11.5.18

Faz um moleque em mim


De tempos em tempos alguma música religiosa explode e faz sucesso além das fronteiras das rádios evangélicas. Eu tenho um gosto musical bem amplo, mas peço compreensão por não ser o maior versado em música gospel.

E mesmo quando eu escuto música assim, meu ouvido me trai.

Eu explico:
Estava assistindo um programa desses de TV local, com produção simples e dificuldades orçamentárias, e a convidada do dia era a filha adolescente de um dos membros da equipe do programa. Celebridades "A", sabe como é?

Enfim, a moça cantava - com uma dicção pior do que a da Ariana Grande - uma música que fazia muito sucesso nas rádios, mas que eu não tinha ouvido ainda.

A melodia era bonitinha, em ritmo de pagode romântico:

"Entra na minha casa, entra na minha vida,
Mexe com minha estrutura, cura todas as feridas..."

Achei fofo. Só me surpreendi quando chegou a frase final do refrão, com a adolescente cantando com sua dicção de quem usa aparelho, enquanto o pai orgulhoso dançava atrás:

"FAZ UM MOLEQUE EM MIIIIIIMMMM"

--

Eu juro que eu tento ser moderno nos assuntos de amor.

Na real, eu até sou. Pra mim, todo mundo transa do jeito que quiser, na hora que quiser e com a fantasia do Teletubbie que preferir. Não é problema meu.

Mas já aconteceu de eu perceber que sou assim muito mais na teoria do que na prática.

Eu, por mim mesmo, sou quadradão.

Sou monógamo chato, morro de ciúmes quando penso em compartilhar quem eu amo com outra pessoa e sou uma completa negação quando o assunto é sexo casual. Acabo perguntando da família da pessoa antes mesmo de abrir o zíper, só pra rolar uma intimidade antes.


--

Passei semanas com aquela música romântica-safada na cabeça.
Fiquei até meio complexado. Tá que a música era bonitinha, mas uma frase sobre trepar até fazer um moleque depois de tantas frases sobre curar feridas e a importância do amor me pareceu pesada.

Contei a história do programa de TV pra uma amiga.
"Tô preocupado, acho que eu tô virando conservador! Mas porra, 'faz um moleque em mim' é tenso!"

"É milagre, idiota!", ela respondeu. "A música fala de Deus!"

Ah, tá.

--

Tenho vários amigos com medo de estarem ficando conservadores demais.

"Eu só queria chegar e transar, sabe? Chegar metendo. Mas eu fico esquisito, não consigo curtir."

ou

"Eu não sou evoluído suficiente para o poliamor."

Com culpa! Culpa de não ser supersolto e aberto em questões românticas e sexuais. Mas não se trata de uma questão de evolução, não. É só escolha.

O sexo é uma questão íntima. Nunca vai deixar de ser.

O grau de tranquilidade com um semidesconhecido esfregando as virtudes na sua cara varia de pessoa pra pessoa.
O grau de tranquilidade com um conhecido esfregando as virtudes na cara do seu namorado também vai variar.

Liberação de verdade é permitir-se fazer o que lhe fizer se sentir melhor, seja na devassidão, seja na abstinência.

Você tem todo o direito de ser pudico e não perder pontos na evolução liberal da consciência universal.

O que importa é ser tranquilo com o outro fazendo o que quiser também.

--

Mas nada tira da minha cabeça que a adolescente do programa de TV talvez estivesse cantando moleque em vez de milagre mesmo, só pra sacanear.

Os jovens de hoje são um perigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fotocópias

"Não quero ficar falando mal dos meus pais, sabe? Eu sei que eles me amam." Troque "pais" por "namorado&qu...