22.9.08

Um cálice

Há muitos anos derramava um cálice
que implorava a Deus pelo que seja,
e derramava o que talvez amasse,
e derramava o que de mim rasteja.

Fazia limo, e à noite tossia
toda a umidade que a secura ardia.
Fazia festa o mofo que tecia
todo o calor de sua existência fria.

Quando abraçava, à noite, sua caneta
abria arquivos de uma lua preta,
Quando pintava com dor e palavras
cenário cego, insípida paleta.

Sonhava as cores de uma obra-prima
em seus outonos de textura fina
atualizava-se no nascimento
do dia; a noite que o sol assassina.

O seu sorriso desprendia pedra
com a crueza que me transpenetra.
Há muitos anos derramava um cálice
que ainda hoje minha vida afeta.

("Fuja do jardim enquanto temos tempo"
alguém gritou, quebrando o encantamento)

5 comentários:

  1. Poxa vida, Flávio.
    Muito bonito e muito bem escrito.
    Seja meu irmão mais novo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Poeminha é o que há! :)

    Flw.

    ResponderExcluir
  4. Achei bonito. Agora gostaria de saber sua idéia sobre minhas idéias em http://dozeroaoum.wordpress.com.

    ResponderExcluir
  5. Belos quartetos decassílabos, bastante subjetivos, cheios de possíveis significados, apreciei. Escreva mais deles...

    ResponderExcluir

Encontrando caminhos

Ele era uma constante distante nas sessões da minha paciente. Quer dizer, ele sempre aparecia nos fundos de alguma história, ou como motivaç...