24.3.12

Pelo bairro

A última semana foi tão pesada que me fez planejar um fim de semana cheio de eventos.

Convidei mil amigos pra comer pizza aqui em casa, combinei de sair com o pessoal da natação, fiz tudo o que eu pude pra que o meu final de semana não fosse baseado, mais uma vez, em ficar em casa comendo Shot de amendoim.

Obviamente, nenhum dos combinados deu certo. Pra piorar, o meu celular estragou e me impediu de ligar pra alguém pra tentar combinar algo de última hora. Pra repiorar, o namorado pediu um tempo.

Escrevo isso comendo Shot de amendoim.

--

Na falta do que fazer, dar uma volta pelo bairro me pareceu ótimo. O dia já tinha escurecido e a temperatura estava baixa. Dia nublado. Exatamente o visual que me encantou quando vim para Curitiba pela primeira vez e  me fez mudar pra cá.

Fui desfilando a cara feia pelas ruas, ocasionalmente ficando com medo de algum grupinho que se aproximava e pensando em atravessar a rua, ocasionalmente assustando alguma velhinha ao passar por ela e vê-la atravessar a rua com medo de mim.

--

Até que passei por uma mulher, negra e com tererês multicoloridos no cabelo.

Atravesso seu caminho ignorando completamente a existência dela (e ela a minha). Depois de cruzar com ela, escuto um "Oi!" tão alegre que confesso que fiquei com medo.

Respondo um "Oi" tímido. Ela para o seu caminho e diz, bem alto, "Sorria, garoto! Anda com a cara fechada não!".

Me senti um bobo, andando por aí sem mostrar os dentes pelo caminho.

"Isso aí!" disse pra ela, e abri um sorriso. Ela respondeu "Agora vou correr, que tenho que trabalhar. Tchau!" e realmente saiu correndo.

Obrigado, mulher maluca que gritou comigo me mandando sorrir. Você fez meu dia valer a pena.

--

Valer a pena até que eu passei pelo supermercado e escutei a caixa comentar com a empacotadora "Porcaria de música, hein?" e a empacotadora responder "Depois os clientes não voltam e eles não sabem o porquê!"

Tava tocando Cássia Eller, cantando Juventude Transviada. Olhei para a empacotadora e sorri.

Com ódio, mas sorri.

2 comentários:

  1. Anônimo12:16 AM

    São tantos assuntos que lavam a alma e torcem o cérebro que nem sei se estendo as idéias,ou recolho as palavras, se enxugo os assuntos ou ponho tudo de molho...
    Paulo Meirelles -

    ResponderExcluir
  2. adorei a tia do Oi. São pessoas iluminadas...

    ResponderExcluir

Encontrando caminhos

Ele era uma constante distante nas sessões da minha paciente. Quer dizer, ele sempre aparecia nos fundos de alguma história, ou como motivaç...