27.5.14

As mentiras que os irmãos contam

A diferença entre as pessoas legais e as chatas é que as chatas nunca tiveram um irmão mais velho.

Uma pessoa chata se acha no direito de ser o assunto da conversa em todas as conversas, que a sua vida é a mais interessante do mundo e que, com certeza, o que ela tem a dizer é relevante.

É o irmão mais velho que vai te mandar calar a boca quando você não para de falar besteira.  A missão do irmão mais velho é te frustrar o máximo possível, para garantir que o seu desenvolvimento seja saudável.

Se você elaborar bem esse trauma, vai retribuir o favor e brigar com seu irmão a cada oportunidade que tiver. Assim, os dois aprendem que não são o centro do universo e vão pro mundo como pessoas melhores, castradinhas e legais.

--

Quando eu tinha uns sete anos, fui perguntar ao meu irmão o que era o Livro dos Recordes. Ele explicou:

- Recorde é quando uma pessoa faz a maior coisa do mundo. - disse ele - Tem a pessoa mais alta do mundo, a mais baixinha, a mais velha.

- Ah, tá.

- Eu estou lá.

Meu queixo caiu. Como é que eu não sabia que meu irmão era a pessoa mais alguma coisa do mundo? Mais irritante, eu já suspeitava, mas não sabia que ele já tinha sido certificado.

- Pelo quê? O que você fez?

- O maior cocô do mundo.

Eu nunca tinha visto meu irmão falar tão sério. Eu não quis acreditar.

- Mas você não lembra? Aquele dia que a gente tava na praia e a gente foi fazer cocô num ginásio?

- Não lembro. Você tá mentindo.

- Juro! Por João 8:44! - jurou ele. Crescer numa família religiosa te faz jurar de um jeito estranho.

- Quantos metros tinha o seu cocô?

- Ah, uns doze.

- DOZE METROS?

- Eu tinha comido muito peixe.

- E eu não participei?

- Participou sim, mas o seu era menor. Só tinha uns seis metros.

Fiquei triste. Eu ainda tinha muito o que crescer pra aprender a fazer merda como o meu irmão.

--

Só fui descobrir que essa história era mentira bem mais tarde, quando fui contar pra uns amigos que meu irmão estava no Guinness e me dei conta do absurdo.

Eu já era adulto.

--

Outra vez, ele me chamou pra comer cachorro-quente.

- Só que eu só tenho grana pra um cachorro-quente e meio. Você vai ter de pedir pra o cara da barraca te dar só a salsicha.

Por mim, tudo bem. Topei o passeio. Chegamos na barraca e ele pediu o lanche. Pedi também:

- Moço, pode me dar só a linguiça?

Até hoje eu confundo salsicha com linguiça. Ele não entendeu:

- O quê?

- Só a salsicha! Desculpa, me enganei. Pode ser só a salsicha?

Ele olhou pro meu irmão e prendeu o riso:

- Só se for a minha.

- OK. - Aceitei, claro. Como ele ia me vender uma salsicha que não fosse dele?

- A minha salsicha? - Ele confirmou, rindo.

A essa altura, meu irmão já rolava pelo chão, em posição fetal e com lágrimas nos olhos.

- Sim, moço.

- A minha. A minha linguiça. Pode ser a minha linguiça?

Só faltou desenhar uma linguiça ao lado de um pênis e gritar a palavra ANALOGIA várias vezes. Não adiantou:

- Moço, eu já falei que pode ser!

A ingenuidade é uma arma poderosa. Acabei ganhando um cachorro-quente completo.

--

Talvez não fosse ingenuidade. Quer dizer, eu era super novinho, mas vai que eu queria a salsicha do cara no figurativo, mesmo?

--

Todo caçula é uma vítima, mas isso é pro seu próprio bem. Ter um irmão mais velho pode ser traumático, mas te impede de ser um chato completo.

Pior é pensar que, mesmo com todas essas mentiras, minha relação com o meu irmão é a mais honesta que eu tenho na vida.

Que horror.

4 comentários:

  1. Cara, como sempre, muito bom! Eu sou o mais velho, mas ter duas irmãs mais novas também te ensina a não querer ser o centro das atenções...

    O pior é que, mesmo assim, eu era sempre o mais inocente, hahahahaha.

    ResponderExcluir
  2. Plinio Komonski3:06 AM

    Poxa vida, irmao! Fiquei mega emocionado! Voce eh o maximo, sinto muita alegria em ter tido a sorte de ter recebido voce como irmao, um verdadeiro amigo! Amo voce. Voce faz falta...abracos!!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo4:01 AM

    tenho tres irmaos e sei a sorte que nós temos (ou falta dela ) por termos uns aos outros

    ResponderExcluir

Encontrando caminhos

Ele era uma constante distante nas sessões da minha paciente. Quer dizer, ele sempre aparecia nos fundos de alguma história, ou como motivaç...