13.5.14

Política e paixão

Cansei de escutar, enquanto crescia, que o Brasil não ia bem porque "o brasileiro não se interessa por política". O complemento padrão dessa frase era "porque só quer saber de futebol".

Tá certo que a minha timeline do Facebook representa bem menos pessoas que a torcida do Corinthians, mas se for tomada como amostra, as coisas não parecem estar tanto desse jeito.

Aliás, eu diria que o brasileiro está muito mais apaixonado por política do que por futebol.

E que isso não é necessariamente uma coisa boa.

--

A paixão é a ilusão de poder encontrar a própria completude através de outra pessoa. 

É uma estranha mistura de humildade (de se aceitar incompleto e carente de sentido) e a onipotência (de achar que, adicionando uma outra pessoa na mistura, ficaremos saciados da nossa fome por preenchimento).

É aí que estamos, como nação. Apaixonados pela possibilidade de mudança. A frustração acumulada é tamanha, e em tanta coisa, que qualquer chance de mudança política brilha em nossos olhos como uma possibilidade de completude.

Isso explica porque fomos do completo desinteresse por política a um fanatismo generalizado.

--

Pode parecer exagero, mas olhe ao redor e procure alguém moderado. 

Ao redor não, procure na lupa cruel de uma seção de comentários num site de internet e tente encontrar alguém que pregue o equilíbrio como uma opção viável.

"Impeachment da Dilma, prisão aos petralhas!", gritam uns. 

"Mulheres lésbicas, negras, cadeirantes e umbandistas no poder!", insinuam outros (eu entre eles).

"Mercado livre já! Toda restrição é burra!", ainda outros.

E, os meus preferidos:

"Não tem um que preste. Solução para o país é político no paredão!".

Todos com algo de razão, mas todos inflamados pela paixão com que se agarram aos seus pontos de vista.

--

Uma pessoa apaixonada é extremamente manipulável. 

Guiada pela paixão, não vê defeito no seu objeto de desejo. Até porque, se enxergar algum defeito ali, toda a ilusão de estar completo pela presença da outra pessoa vai embora, e será necessário encarar o vazio de estar sozinho novamente.

Um exemplo dessa paixão? Os protestos do ano passado.

Milhares de pessoas, e um número surpreendente de adolescentes, tomando as ruas e esbravejando palavras de ordem. Apaixonados. Sorrindo. Erguendo bandeiras. 

Uma cena emocionante, e também um ótimo momento para quem quiser se colocar à frente como um Messias, tentando associar essa paixão coletiva às suas imagens. Oferecendo soluções para os seus apaixonados.

--

Muito perigoso. A paixão é agressiva. A emoção é tamanha que exige alguma soltura para ser eloaborada. 

Para um casal apaixonado, uma boa briga e um bom sexo, quanto mais violento melhor, dão conta do recado. 

Para um país apaixonado? Intervenção militar! Redução de maioridade penal! Pena de morte! 

Porque se a paixão é extrema, a catarse também precisa ser.

Nesse caso, melhor ter uma nação de desinteressados por política do que uma multidão de pretensos informados, indignados por tudo e sem saber de nada. 

Indignação, quando aliada à desinformação, é um combustível perigoso.

--

A paixão é ciumenta. Por isso os crimes passionais. 

Quebrar a cara com uma paixão dói tanto que perdemos o controle. Ficamos violentos com o objeto que queríamos que fosse nossa salvação. 

Não sabemos o que fazer quando o nosso ideal não corresponde à realidade.

Junte essa frustração com a necessidade de catarse, e você entende porque há quem precise amarrar um assaltante a um poste ou linchar uma mãe de família, em busca de justiça.

A paixão é cega. Quem ousa contestá-la recebe uma resposta violenta. 

--

Mas, com sorte, depois da frustração, a pessoa olha um pouco para si. 

Passa a se ver como responsável pelo desejo que tem, e deixa de exigir do outro a satisfação de suas expectativas. Toma as rédeas da própria caminhada. 

Para quem não quer refletir, resta um caminho mais fácil: trocar de objeto de paixão. Deixar-se enfeitiçar por outra pessoa que ofereça uma tábua de salvação. Outro salvador. 

Enxágue e repita, e mantenha o ciclo de frustração e violência, esperando que algo mude.

--

Se o fim da paixão for bem elaborado, a inflamação vai dando espaço à maturidade e é trocada por carinho e amor.

Pelo amor de aceitar a diferença, mesmo quando ela não corresponde às expectativas depositadas. Pelo carinho de fazer a sua parte para que a relação funcione. Pela dedicação para um bem comum. 

Sem tanta violênia, mas com atenção e cuidado.

--

Há quem diga que o brasileiro não sabe fazer política. 

Se olharmos com mais cuidado, talvez apenas não saibamos amar.

Um comentário:

  1. Bela metafora!
    Realmente, o brasileiro, em geral, não sabe controlar o senso de justiça.
    Ai de nós!

    ResponderExcluir

Encontrando caminhos

Ele era uma constante distante nas sessões da minha paciente. Quer dizer, ele sempre aparecia nos fundos de alguma história, ou como motivaç...