22.2.15

Geladeiras e guarda-roupas

Depois de formado na faculdade, precisei tomar umas escolas difíceis para não precisar voltar para a casa dos meus pais. Uma delas foi sair do apartamento simples e com móveis velhos em que eu morava... e ir para um lugar mais barato.

Aluguei um quarto no apartamento de uma amiga caridosa o suficiente para aceitar o valor que eu conseguiria pagar de aluguel.

Era só fazer a mudança, mas antes, eu precisaria decidir o que eu deixaria para trás por falta de espaço.

--

A máquina de lavar roupa já estava funcionando na base da negociação. A cada dia uma etapa da lavagem funcionava: se lavava, não centrifugava; se centrifugava, pulava a etapa do molho; se fazia todas as etapas, engolia uma meia de cada par como pagamento.

A máquina estava tão fraca que, se você fizesse o ciclo completo de lavagem com um gato dentro dela, ele saía vivo e ronronando. E com o pêlo sujo.

O recado estava dado: ela não queria mais trabalhar. Como eu não escuto recado de eletrodoméstico, passei ela adiante para alguém que aceitasse os defeitos dela. 

Não foi difícil dar adeus. A pessoa que aceitou a máquina de graça não sabe o favor que me fez.

--

Com meus pratos, talheres e copos, o processo também foi fácil: fiquei com duas ou três canecas que eu tinha ganho de presente e o resto foi doado.

Fui tão radical para doar louças que, na empolgação, doei  até o pratinho do micro-ondas. E o micro-ondas ficou comigo!

Sorte que ele funciona sem o pratinho.

--

Meu guarda-roupa era velho e já era velho quando eu o comprei, mas eu não estava nadando em dólares para comprar um outro. Esse mesmo teria que sobreviver sua sexta ou sétima desmontagem e remontagem.
Sem problemas, o processo seria feito por um profissional: eu.

Quando fui desmontar o coitado, percebi que ele só estava em pé porque na última montagem ele foi entupido de pregos. Não sobrava uma prateleira intacta.

Desmontei com cuidado e torci para ele aguentar ser montado de novo. Na hora de montar, algumas peças da estrutura do móvel já estavam desgastadas demais.
Mas quem é que precisa de estrutura? Joguei essas partes fora e montei mesmo assim. Toda a parte de trás do guarda-roupa foi jogada fora.

E ele sobreviveu! Ele só precisa estar apoiado entre duas paredes para não cair, e você precisa empurrar o móvel todo para cima para conseguir abrir as gavetas.
Eu devia trabalhar com montagem de móveis.

Olha só, retinho!

--

Mas a minha geladeira não tinha problema nenhum, tadinha. Era a única parte da minha casa antiga que ainda estava 100% boa.
Vendê-la não me daria quase nenhuma grana e eu sou egoísta demais para dar a geladeira pra alguém.

Levei ela comigo e a guardei no meu quarto. Não fazia sentido deixá-la ligada, nem guardar comida ali sendo que eu tinha uma cozinha perfeitamente funcional a alguns passos dali.
Precisava de um uso para ela.

--

Acho que a geladeira e o guarda-roupa eram amigos, porque ele se recusou a aguentar o peso das minhas calças jeans.
E a geladeira é o quê, se não uma boa estante vedada completamente?

O trambolho branco da Electrolux hoje guarda parte das minhas roupas e minha papelada da época da faculdade. E eu não precisei vender minha geladeira nem jogar fora o guarda-roupa.


Mas hoje demoro horas para escolher uma calça jeans. Fico parado, com a porta da geladeira aberta, pensando na vida e escolhendo o que vestir.

Tem hábitos que nunca mudam.

2 comentários:

  1. Anônimo9:44 PM

    Agora você pode ficar com a porta da geladeira aberta sem se preocupar com o consumo de energia. Ah, mande um curriculo de montador para as Casas Bahia. Irá ser contratado, certeza! XP

    Obrigado pelo texto, a unica coisa que foi capaz de me alegrar hoje.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo9:31 PM

    E também no verão quando estiver muito quente vc pode ligar a geladeira e usar as roupas bem fresquinhas! XD

    ResponderExcluir

Encontrando caminhos

Ele era uma constante distante nas sessões da minha paciente. Quer dizer, ele sempre aparecia nos fundos de alguma história, ou como motivaç...