20.10.16

Sentindo sentidos

O que você está fazendo agora?

Eu espondo: está pensando. 
Botando informação pra dentro, mastigando com os neurônios e alojando cada coisa numa gavetinha na sua cabeça.

Evolutivamente, o processo de aprender não tem nada a ver com conseguir blefar melhor no pôquer ou citar Nietzsche. Tem a ver com sobrevivência.

A gente observa, repete, aplica e guarda tudo aquilo que pode nos ajudar a escapar de um risco iminente, seja um leão ou uma palavra. 

Pensamos para conseguir sobreviver.

--

Sentir, por sua vez, é o termômetro interior que desenvolvemos ao longo de milhares de anos, que nos diz se estamos seguros nesse ambiente perigoso, cheio de leões e palavras.

Sentir serve para que mostrar uma realidade dentro de nós que vai além do dicionário e da lei da selva.

Sentimos para dar significado à existência.

--

E como é que a gente toma decisões?

Pensando. 
Ignorando o sentido e focando na estratégia de sobrevivência, mesmo quando não estamos correndo tanto risco assim.

Usamos justamente a estratégia de fuga, quando podíamos muito bem estar no lugar seguro, no termômetro evolutivamente refinado e facilmente acessível dentro de cada um.

"Usar a cabeça" virou sinônimo de decisão bem tomada, mas eu tô com o consultório cheio de gente infeliz com a cabeça exausta de pensar.

--

Aproveita que você tá matando tempo e faz esse exercício rapidinho:

Escolha um assunto que te incomoda.
Pode ser uma decisão, uma relação com alguém, um trauma do passado. 

Tenta relaxar um pouco o corpo, na cadeira mesmo.
Respire fundo e tenta se conectar com o seu corpo pelo lado de dentro.

Veja bem o que está confortável e o que não está, sem tentar corrigir nada.
Tente, por uma vez na vida, ser seu amigo e receber o que vem de você como se viesse de alguém que você gosta muito.
Aceite o que o seu corpo mostrar, sem julgamento e com bastante carinho.

Agora preste atenção na região entre a barriga e o pescoço, e manda a pergunta pra dentro:
"Que espaço isso (o tema que você escolheu) ocupa aqui dentro de mim?"

Tente não usar palavras.
Só sinta dentro do corpo, o espaço que isso ocupa dentro de você.

Resista à tentação da cabeçorra voraz. Sinta o corpo.

"Como meu corpo se sente em relação a isso?"
Perceba os sentimentos que vêm a tona. 

O corpo não responde com palavras, mas com sensações, cenas, memórias.
Deixe vir.

Depois de sentir por um tempo, pode usar a cabeça pra tentar descrever essas cenas e sensações brevemente. Brevemente, hein?

Às vezes só essa parte já ajuda a perceber o que a gente pode fazer pra mudar a situação.

--

Mas tem uma segunda parte:

Ainda relaxado e amigável consigo mesmo, foque naquela mesma parte do corpo e pergunte:

Do que eu preciso em relação a esse tema?
Como é que eu me sinto bem?

Sons, imagens, memórias, aceite o que vier com bastante atenção e carinho.

E sinta o alívio de identificar o que você sente.
Pode ser que você não sinta isso há muito tempo.

Agora, mesmo que a situação continue a mesma, você já sabe o que se dar.

--

É chato que a vida da gente esteja tanto na nossa cabeça que seja necessário reservar tempo e fazer exercícios simplesmente pra conseguir sentir alguma coisa.

Mas o esforço compensa, principalmente pra quem com ansiedade e depressão.

Entrar em contato com o porto seguro do corpo ajuda a desenvolver a força emocional e o carinho consigo mesmo necessário pra enfrentar essas condições.

--

Vários estudos científicos relacionam a percepção de emoções a partir do corpo a um bom resultado de terapias. 

Fazer isso uma vez por dia pode fazer uma grande diferença a longo prazo. 

Experimente e me conta como foi. Como você se sentiu?
Fez sentido pra você?

Um comentário:

  1. Anônimo2:37 AM

    Senti um nó na garganta, um vazio no peito e borboletas no estômago.

    ResponderExcluir

Popstars

É fácil entender o sucesso de programa Popstar, na Globo. Atores, apresentadores, artistas bem sucedidos em outras áreas se amontoam e se ...