11.4.17

Os abusáveis

Relacionamentos abusivos são o assunto do dia.
Que bom.  
Quer dizer, que pena que eles existam tanto a ponto dessa discussão ser tão necessária, mas já que existem... Que bom que estamos conversando.

Nessa conversa, a gente fala bastante sobre o abusador. Isso ajuda bastante na hora de perceber o que é uma situação de abuso e o que não é.

Ainda assim - pelo medo de não ser amada e pelos truques do inconsciente - uma pessoa num relacionamento abusivo dificilmente vai conseguir identificar o seu parceiro ali.

E agora, sem olhar para o outro, como identificar se o seu relacionamento é abusivo?

Olhando para dentro.

--

Se existem traços de personalidades que caracterizam os abusadores, também existem características que indicam uma personalidade "abusável".
São elas:

1 - Pessoas que sofrem abuso são muito responsáveis.
Pessoas com uma personalidades abusáveis costumam ser muito eficientes. Antecipam a necessidade do outro antes que ele diga qualquer coisa, trabalham com gana nos olhos, fazem o possível para terem uma vida decente. 
A frase mais comum para sair da boca de uma vítima de abuso é "Eu me recuso a ser vítima".

Por baixo dessa atitude - tão nobre! - de ter queixo erguido e aceitar as dificuldades da vida como são, mora um aviso interior de "É proibido reclamar". 

Nessa de "a vida é dura mas eu sou forte", um relacionamento abusivo se entranha sem parecer tão cruel, só pelos ocasionais momentos de prazer que oferece. 
Para essa pessoa, só um pouquinho de prazer já basta.

2 - Pessoas que sofrem abuso tendem a se sabotar. 
Pessoas em relacionamentos abusivo muitas vezes encontrar um esquema genial para se manterem ali: cometer erros que possam, ao seu ver, equilibrar a balança do abuso. Por exemplo: Um homem trai uma mulher várias vezes e tem a traição descoberta. Sob a justificativa de vingança ou de esquecer o homem que a traiu, ela sai num encontro com outro rapaz. Nem gosta do encontro. Mal dá um beijo na boca. Ainda assim, na primeira oportunidade, briga com o seu parceiro e despeja "Mas eu também te traí!".

Por fora, a lógica é a de "Não vou sair perdendo!". Por dentro, o raciocínio inconsciente é "Agora estamos quites, fiz uma cagada também. Por favor, fique comigo".
O parceiro, que já deve ser um manipulador de primeira, sai da história cheio de munição para sair da posição de traidor e se colocar como vítima.

Geralmente há uma falsa simetria nessa história, e a pessoa abusada não se dá conta de que o que ela fez é muito menor do que o conjunto dos atos da outra pessoa. Por exemplo "Ele me empurrou, mas também... eu mexi no celular dele!".
É a velha história do "vocês não entendem, fui eu que provoquei!".

3 - Todo abusado é uma pessoa legal.
Sabe essas pessoas chatas, que cobram presença o tempo todo? Essas pessoas grudentas? Normalmente elas são a ex do abusador. 
A pessoa abusada, por sua vez, não é assim. 
Ela é legal. Ela entende. Ela é super parceira.
Ela não é aquela pessoa que fica louca só porque o companheiro deixou de telefonar um dia. Quem é que não tem um dia ocupado?
Quem é que nunca perdeu a cabeça?
Quem é que nunca deu um empurrão numa hora de briga?

Compreensivo desse jeito, o abusado não exige nada. 
Por trás disso, uma autoestima baixíssima que lhe diz "Se você exigir, a pessoa vai embora. Seja grato de ter alguém que goste de você, ruim desse jeito".

4 - Todo abusado escuta mal.
Hora de tomar responsabilidade: para fugir de uma sensação de abandono que a persegue, a pessoa abusada manipula cuidadosamente tudo o que escuta para convencer-se de que é amada.

Se a outra pessoa fala "Eu não quero um relacionamento sério agora", a pessoa com personalidade abusável vai focar no "agora", e não no "eu não quero um relacionamento".

Se a pessoa ouve um "Desculpa, tá tudo tão corrido, nem deu pra te mandar uma mensagem", escuta "Estive pensando em você o tempo todo, e se não fosse minha ocupação terrível que me ocupou todos os segundos da semana, eu te procuraria." 
Enquanto isso, o verdadeiro subtexto era "Tenho muitas outras atividades na minha vida que são mais importantes que você". 
Isso o abusado se recusa a ouvir.

5 - Todo abusado tem pressa de ser amado.
Não vou dizer que a pessoa que sofre abuso é carente porque isso todo mundo é, até o abusador.  O que diferencia a pessoa com tendência a sofrer em relacionamentos abusivos das outras é a pressa que ela tem. Cansada e solitária, a pessoa se abre facilmente para alguém que lhe trate como alguém desejável. 

"Eu te desejo", para uma pessoa carente, é equivalente a um abracadabra. Ela se sente tão largada quanto uma lata jogada na rua. Se alguém lhe ajunta ali, é como se dissesse "Se você me deseja, pode me levar, sou sua", com a maior gratidão do mundo.

Infelizmente, um coração escancarado é um prato cheio para alguém manipulador.

--

Claro que possuir esses traços não é, de maneira nenhuma, motivo para sentir culpa de ter estado em um relacionamento assim. Nenhuma dessas características é ruim. 
Ainda assim, elas facilitam para que uma pessoa com má intenção se aproxime e faça a festa.

Se você tem um histórico de relacionamentos abusivos, pode ser hora de olhar para a sua personalidade, para os seus hábitos e para as suas carências.

Não para se julgar (provavelmente você já se julga demais), mas para atender ao que você precisa com o carinho que tem faltado na sua vida. Para ganhar de si aquilo que se busca no outro.

Quem sabe aí você possa escolher o relacionamento que você deseja em vez de tentar desesperadamente transformar em amor aquele relacionamento que lhe cruzou o caminho.

Precisando de ajuda, estamos aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aceitações

Nós, que andamos pelo mundo acordando cedo, andando com nossas próprias pernas e reclamando quando temos gripe, somos um seleto grupo de abe...